Case Comigo: O Amor, as seguranças e incertezas {Crítica} | Confira!

Definitivamente, a comédia romântica ainda vive em 2022. Será que ainda existem românticos ou estão todos extintos? Seria ironia querer viver um amor no século da pandemia? As respostas não sei, mas como romântico incurável que sou, estou totalmente entregue novamente ao amor a partir de hoje – mesmo que ele não esteja entregue a mim, mas tudo bem, passa. O romance no cinema deixa a gente assim, todo ‘mole’. É bom demais se emocionar e chorar de alegria com histórias que parecem previsíveis e inofensivas, mas deixam uma marca grande na gente. Case Comigo é um convite para viver o romance moderno de um jeito gostoso demais – e ensinar bastante sobre o amor. 

Case Comigo conta a história de Kat Valdez (Jennifer Lopez), uma estrela mundial Latina da música pop e Charlie Gilbert (Owen Wilson), um professor de matemática – dois completos desconhecidos que decidem se casar primeiro e só depois se conhecerem melhor. Case Comigo é uma história de amor moderna sobre duas pessoas diferentes e um amor improvável, embalada por canções originais de J-Lo na trilha sonora. 

A introdução perfeita de uma comédia romântica 

Case Comigo: A gente não encontra o amor nas seguranças, e sim, nas incertezas {Crítica}
Foto: Reprodução / Divulgação

Uma boa comédia romântica nós capturamos pela introdução. É o começo de tudo que cria a conexão mais forte do espectador, com a história que está só começando. Case Comigo cria uma atmosfera muito empolgante acerca do início de tudo, aprofundando os detalhes tanto da vida de J-Lo, quanto da vida de Charlie. E por mais que tenhamos uma sensação de ser previsível logo no começo, acontece um aprofundamento forte com ambos os personagens, com cenas emocionantes e que geram grande empatia principalmente por J-Lo.  

Um roteiro que não decepciona em momento algum

O longa flui tão bem que a gente não vê o tempo passar. E isso tudo aponta para um roteiro muito bem desenvolvido, com uma ordem cronológica leve, na medida certa dos acontecimentos e sem forçar a barra em nenhum momento. Os diálogos são bastante saudáveis, nada chatos ou entediantes, com humor de qualidade e, principalmente, com muitos momentos emocionantes. Charlie e Kat protagonizam cenas de conversas enriquecedoras, além de posicionamentos que deixam muitas lições. 

Case Comigo: A gente não encontra o amor nas seguranças, e sim, nas incertezas {Crítica}
Foto: Reprodução / Divulgação

Mas algo que me chamou a atenção foi a semelhança (pode ser coisa da minha cabeça) do modo de falar da personagem Kat, com Lady Gaga. Dentre alguns clichês de Gaga em coletivas de imprensa de House of Gucci, até mesmo o jeito original de se expressar e o discurso cheio de personalidade. Vemos aqui um excelente trabalho de construção de personagem – que traz, claro, a essência de J-Lo.

Simplesmente, Jennifer Lopez. Ela se superou demais!

Case Comigo: A gente não encontra o amor nas seguranças, e sim, nas incertezas {Crítica}
Foto: Reprodução / Divulgação

O que falar de Jennifer Lopez? Com outras comédias românticas no currículo, como: O Casamento dos Meus Sonhos (2001), Encontro de Amor (2002) e A Sogra (2005), J-Lo sabe muito bem o que faz e mostra isso muito bem em Case Comigo. Sua presença, sua autonomia em cena, sua percepção aguçada e sua capacidade de atuação extraordinária nos entregam uma personagem magnífica no longa. É impossível não se apaixonar por Kat Valdez. 

A elegância, o brilho e a presença de J-Lo faz com que ela desfile pelas cenas com uma facilidade muito grande. A sensação que fica é que estou no cinema vendo a história de uma amiga muito próxima, com quem tenho uma conexão verdadeira de anos. É incrível como J-Lo brinca de atuação e ensina como fazer um protagonismo de respeito. Simplesmente, não haveria escolha melhor. 

A trilha sonora entrega uma obra audiovisual completa

Comédia romântica com Jennifer Lopez, Case Comigo chega aos cinemas de  Brusque
Foto: Reprodução / Divulgação

A trilha sonora original de Jennifer Lopez é, definitivamente, o que faz Case Comigo ser uma comédia romântica apaixonante. Desde a animada “Marry Me”, dueto com Bastian (Maluma), até a romântica “On My Way”; temos uma trilha sonora que cria uma atmosfera de êxtase e de muitas emoções em todas as performances. As músicas foram inseridas no momento certo, sem ser forçado ou parecer um musical. Foi tudo na medida certa e percebe-se esse cuidado. Confira uma das músicas abaixo, já disponibilizadas nas redes da J-Lo. 

Owen Wilson, casa comigo?

Case Comigo: A gente não encontra o amor nas seguranças, e sim, nas incertezas {Crítica}
Foto: Reprodução / Divulgação

Não existe nenhum homem com charme mais arrebatador que Owen Wilson. O ator nos entrega o personagem maravilhoso que é Charlie, um pai divorciado bastante metódico, nerd e cheio de inseguranças na vida e no amor. O carisma, sensatez, generosidade, altruísmo, caráter e tantas outras qualidades do personagem entregue por Owen, criam uma conexão muito forte do espectador com a narrativa. Owen foi uma escolha assertiva para o papel, pois traz um pouco sua veia humorística, mas algo bastante sincero para o personagem – sua calma, leveza e capacidade de emocionar.

Personagens cativantes, empolgantes e apaixonantes 

Case Comigo: A gente não encontra o amor nas seguranças, e sim, nas incertezas {Crítica}
Foto: Reprodução / Divulgação

Confesso que não existe ao menos um personagem que não goste. Desde Maluma (Bastian), que interpreta um cantor latino estilo ‘cafajeste’, temos atuações extremamente caricatas como Chloe Coleman, que vive Lou Gilbert, filha de Charlie; Sarah Silverman, que é Parker, melhor amiga de Gilbert; o maravilhoso John Bradley-West, que vive Collin o empresário de Kat; Michelle Buteau que vive Melissa, a assistente de Kat; dentre outros. 

Simplesmente o elenco entrega desde momentos bastante engraçados, até intersecções bem inseridas na história, sem passarem despercebidos nas cenas e compondo as cenas cada um com sua personalidade. 

Um marco da comédia romântica moderna – é o amor em 2022

Case Comigo: A gente não encontra o amor nas seguranças, e sim, nas incertezas {Crítica}
Foto: Reprodução / Divulgação

É curioso como o amor está cada vez mais se desconstruindo, se re-moldando e sendo ampliado para uma visão mais voltada para a modernidade. As discussões sobre o amor no século 21 são infinitas. Não trazê-las para o enredo do cinema, é um desperdício enorme. Afinal, não existe mais amores perfeitos retratados no século passado. O que existe é o real, o imprevisível. E sinceramente, é esse espaço que a gente quer sempre estar pra se sentir inserido, representado e diria que essencialmente, para acreditar que a gente pode amar bastante ainda nesta vida. 

Me siga no Instagram.

Confira abaixo o trailer oficial de Case Comigo (2022), que estréia nos cinemas nesta quinta, 10 de fevereiro de 2022. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.