Olá, pessoas! Mais uma resenha no ar, uma resenha que eu estava muito ansiosa para trazer pra vocês porque há algum tempo eu trouxe aqui ao blog, a resenha do primeiro livro, O Despertar do Príncipe, e se vocês leram essa resenha sabem o quanto eu estava empolgada – e animada – para ler o mais depressa possível essa continuação. Eis que finalmente o dia chegou e ganhei de presente o segundo livro da série Deuses do Egito. Sugiro que, se você ainda não leu o primeiro livro, pare agora de ler a resenha porque é uma continuação, então… tem spoilers rs.

Lily passou por altos perrengues no primeiro livro para juntar os Filhos do Egito e assim, cumprirem com a sua missão, o que ela não esperava era se apaixonar por um deles, Amon. Depois disso tudo, ela precisou se separar dele, sendo que Amon acaba sendo levado para o mundo dos mortos quando ele acabou deixando um escaravalho com Lily, artefato esse que seria mais que essencial para ele naquele momento.

 

Sem o escaravalho, Amon é levado para o mundo dos mortos, onde é torturado pelas piores criaturas que se podem imaginar. Mas acontece que o artefato dado para Lily faz com que a conexão deles se tornem ainda mais forte, então Lily sente todo o tormento que Amon sente, mesmo ele preferindo esconder isso dela e tentando aguentar sozinho.

Acontece que, em meio a tanta revira-volta, o deus Seth parece ainda mais decidido com sua vingança de destruir tudo o que foi criado e, a única esperança de salvação, é libertar Amon desse mundo dos mortos e unir os irmãos novamente. Mas somente Lily consegue fazer isso, já que é a única que consegue se conectar com Amon. Por isso, Lily vai precisar fazer o impossível para salvar quem ela ama e, acima disso tudo, tentar salvar todos os reinos existentes da escuridão e do caos causados por Seth. O que ela ainda não sabe é que ela já estava predestinada a cumprir esse destino e, para isso, ela vai precisar abrir mão de muita coisa.

Quando eu li o primeiro livro, acreditei que a história iria para outros rumos e, para minha alegria, O Coração da Esfinge foi uma grande surpresa positiva. A continuação não desaponta e, embora algumas partes seja um pouco mais detalhada e até menos empolgante, muita coisa acontece e a gente não espera que isso aconteceria. O romance é bem visível, porém o foco também é outro, a busca pelo auto-conhecimento da personagem, que passa por várias provas pra conseguir chegar em seu objetivo. Embora não gostando muito de algumas partes específicas, achei a história toda muito incrível e fiquei com aquela pitada de “quero mais”.

A Editora Arqueiro, como sempre, caprichou nessa edição, com a diagramação incrível e a capa, sem igual. Um dourado ouro que resume bem o livro: apaixonante e super mitológico. Se você conhece a autora Colleen Houck pela saga “A Maldição do Tigre” que é uma saga incrível que se passa na Índia, trazendo um pouco da mitologia hindu, que eu quero muito trazer pro blog (mas só no ano que vem rs), A coleção “Deuses do Egito” também vai te fazer viajar através da mitologia egípcia. Eu mal posso esperar para ler o conto que acabaram de lançar e, claro, estou super ansiosa para saber o desfecho dessa história incrível. É uma história que vale muito a pena ser lida, principalmente se você gosta de romance com aquele fundo de mitologia.

 

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *