Ecos (Pam Muñoz Ryan)

Mais uma resenha aqui no blog no ar e estou muito empolgada porque quando recebi o e-mail da DarkSide com os lançamentos de julho, morri de amores por “Ecos“, livro da escritora Pam Muñoz Ryan. Lógico que eu não pude perder a oportunidade de lê-lo e, felizmente, só posso dizer que foi uma das melhores leituras de 2017 e vou contar tudinho para vocês.
Ecos começa contando uma fábula que se passa 50 anos antes da maior guerra de todas, onde um garoto chamado Otto acaba entrando em uma floresta quando estava brincando de esconde-esconde, já que ele estaria na floresta e provavelmente ninguém o encontraria ali. Otto também pensou que, enquanto estivesse lá escondido, poderia ao menos ler o livro que ele comprou por causa de uma curiosidade… o nome do personagem desse livro também é Otto e conforme ele fora lendo o conto fascinadamente daquele livro, ele acabou esquecendo do esconde-esconde e quando desgrudou os olhos da história, já era noite e a floresta estava fria, escura e sombria. Totalmente perdido e sozinho, ele começou a vagar por horas procurando a saída, até que ele começa a escutar algumas vozes chamando por ele.
Quando Otto foi até as vozes, ele viu que as vozes eram de três moças que usavam roupas esfarrapadas. Tudo estava indo bem até ele perguntar o nome delas… e elas falam “Eins, Zwei e Drei”… o nome das personagens do livro que ele acabara de ler. Apavorado e meio curioso, Otto tenta entender aquela situação estranha enquanto as moças pedem para que ele leia a história delas. Chegando em um determinado ponto, a história termina e as páginas continuaram em branco. Sem saber o fim da história, mas sabendo que aquelas moças eram mesmo as mesmas da história que ele acabou de ler e que estão presas em um tipo de “encantamento”, elas precisam da ajuda daquele menino para serem livres.
Então Otto entrega para elas uma gaita que a cigana havia entregado para ele junto com o livro e as irmãs o fizeram prometer que ele precisaria passar aquela gaita adiante quando chegasse a hora, assim elas cumpririam o destino delas quando fosse a hora e ajudaria Otto a encontrar o caminho de volta. Bastasse ele passar a gaita adiante com o espírito delas dentro daquela gaita.
Ao longo dos anos, a gaita foi passada e começamos a conhecer a primeira história, a história do Friendrich… um menino que trabalha em uma fábrica de gaitas (na Alemanha de 1933 que está com a expansão do movimento nazista), que sonha em ser um grande músico mas que vê o sonho sendo acabado pela ascensão do nazismo, já que a gaita não é considerada um instrumento. Como se isso não fosse tudo, Friendrich ainda possui um sinal de nascença bastante esquisito, o que faz dele um dos casos que o nazismo não considera como alemão “puro”.
Depois conhecemos dois irmãos órfãos que moram nos Estados Unidos de 1935 (cujo momento histórico é o de recessão econômica, gerando muito desemprego e, consequentemente, pobreza para muitas pessoas) e que estão lutando para não serem separados um do outro. O mais velho, Mike, é um ótimo pianista e procura uma forma de tirar ele e o irmão, Frankie, dessa. Já que a música sempre esteve na vida deles graças a avó, eles vão perceber que ela pode sim conectar as pessoas e mudar a vida delas.
Já na terceira história, conhecemos Ivy, uma garota mexicana que vive nos Estados Unidos de 1942 (cujo momento histórico aqui é o começo da Segunda Guerra Mundial após o ataque japonês a Pearl Harbor) e que se muda para uma nova cidade junto com os seus pais para cuidar de uma propriedade que pertence a uma família japonesa acusa de ser espiã. Ivy tem um irmão, Fernando, que está lutando pelo país no Exército. Ivy precisa se acostumar a sua nova realidade com a seguinte situação delicada: sua família precisa esperar que comprovem que a família japonesa que mora ali não são espiões para poder continuar vivendo ali e também a sobreviver aquela nova realidade com um certo preconceito ao seu redor, já que ela acaba estudando em outra escola por ter outra nacionalidade. Mesmo assim, Ivy tenta viver da forma mais otimista possível graças à música, já que ela toca majestosamente a gaita que sempre está com ela.
Essas histórias aparentemente não têm nada em comum, a não ser pela música que está presente em todas as histórias. A autora fez um trabalho simplesmente maravilhoso misturando elementos que de fato aconteceram (já que as histórias se passam nos momentos mais cruciais do mundo) e que foram tão complicados de se lidar. Fora isso, ainda temos a ligação de cada história com a música e, consequentemente, com a história das três irmãs, que usaram a gaita como sua libertação e, de certa forma, foi a liberdade de todos os personagens que estão no livro. Amei todas as histórias, o final é simplesmente inesperado e totalmente incrível, a leitura é super envolvente e cativante.
Recomendo muitíssimo a leitura, o livro tem uma mensagem incrível e você cresce com as histórias, já que você acaba sentindo todos os sentimentos e emoções que eles estão sentindo. Espero que todos tenham a oportunidade de conhecer Ecos e estou muito empolgada para ler mais e mais obras da Pam Muñoz, porque ela me conquistou <3
Quem aqui já leu Ecos? O que acharam??
Livro: Ecos
Autora: Pam Muñoz Ryan
Editora: DarkSide Books (Selo: Darklove)
Páginas: 354
ISBN: 9788594540409
Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *