Review: The Crown

Se tem uma coisa que eu gosto muito, essa coisa é assistir séries, então quando não estou lendo, estou assistindo alguma das milhares de séries que eu acompanho (e que vocês podem continuar me indicando mais, haha) porque é uma maneira diferente de entrar em mundos novos, como na leitura ou nos filmes. A série que eu vou falar um pouco hoje na verdade é uma série que eu não pensava em assistir esse ano, isso porque eu já tinha feito um post no começo do ano falando de algumas séries que eu queria assistir como prioridade (o post está bem aqui, caso queiram ler) e, embora eu esteja seguindo o plano muito bem, eu estou conseguindo ter tempo de buscar novas séries também, como foi o caso de Santa Clarita Diet. Agora queria uma série que basicamente seja britânica e, juntando o útil ao agradável, cheguei em The Crown, que conta a história da Rainha Elizabeth II.
The Crown é uma história meio biográfica da Rainha Elizabeth II e também sobre a família real do Reino Unido. A primeira temporada se passa na preparação da então Princesa Elizabeth para Rainha, já que o Rei George VI está muito doente, até ela de fato assumir o trono aos 25 anos, quando seu pai falece. A série começa nos anos 1950 e é um espetáculo maravilhoso ver a caracterização e a composição dos cenários, por vários momentos você esquece que essa série é de 2016. Como a história envolve muito a política, percebemos muito os jogos de interesses de cada personagem, até a preocupação do Rei quando este descobre que não existe cura para sua doença e que lhe resta poucos meses, cabendo a sua filha que ainda é nova e sem muita experiência, assumir o seu lugar, sem falar no fato de ser uma mulher no poder, o que é levado com certa discriminação por muitos. 
Além de tudo isso, ainda temos o casamento da Rainha Elizabeth II com o Príncipe Philip, que mostra muito o descontentamento e o desconforto de ter uma rainha como esposa, o que o deixa fazendo caras e bocas, sem contar dos vários fatos que acontecem no decorrer do casamento que fazem o Príncipe “se revoltar” ainda mais. Fora isso, temos vários personagens importantes que também são tratados, como a princesa Margaret, a única irmã da Rainha Elizabeth II, que é rebelde e parece não se importar muito com as consequências de seus atos e a série aproveita para mostrar também o “romance” com o Peter Townsend, um oficial da Royal Air Force, além de ser um tipo de ministro, tanto para o Rei George quanto para a Rainha. Falando da Rainha, a atriz Claire Foy está simplesmente incrível no papel, principalmente por mostrar que não se nada rainha, se aprende a ser, deixando crescente seu desempenho.
The Crown é uma série belíssima, cheia de assuntos importantes, política, amor e poder. É uma série dramática, forte, com personagens muito bem construídos e com um desenvolvimento cativante. Estou bastante animada para continuar a assistir, vendo as novidades que nos aguardam da série mais cara da Netflix. Quem mais acompanha The Crown?
Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *