Filme: Maze Runner – Correr ou Morrer

Mesmo tendo lido bem no começo do ano, já tinha afirmado lá na minha resenha do livro (que você pode ler clicando aqui), que Maze Runner foi uma das minhas melhores leituras de 2014. E agora faltando menos de quatro meses para acabar o ano, posso dizer que ainda tenho certeza do que disse a alguns meses. Maze Runner se tornou uma das minhas séries de livro favoritas e como de praxe fui conferir a adaptação. Só que com aquela pulga atrás da orelha, pelo simples fato de ser uma adaptação produzida pela Fox e não tenho boas lembranças do estúdio, depois do fiasco que foi Eragon e Percy Jackson não tinha lá muitas esperanças que fosse sair coisa boa, mesmo por que o filme só teve um orçamento de US$ 35 milhões e para a produção de um filme não é lá muito dinheiro. Felizmente, acredito que a Fox ouviu as ameaças da galera e finalmente fez uma boa adaptação.
O longa inicia-se com Thomas acordando dentro de um elevador que o leva para uma comunidade isolada cercada por um labirinto e que é composta somente por garotos, que assim como ele chegaram ali sem saber nada da sua vida ou sobre o porquê forem mandados para esse lugar. A Clareira, nome que os garotos deram ao lugar, é cercada por altos muros cobertos por trepadeiras e rodeado por um labirinto que todas as noites se fecha, pois quando escurece uns bichos estranhos com uma picada mortal saem atrás de presas. Os Clareanos, como são chamados os moradores da Clareira, tentam sobreviver da melhor forma possível naquele lugar, seguindo três regras básicas que são explicadas a Thomas. A reviravolta acontece quando alguns dias depois da chegada de Thomas, chega a primeira garota a Clareira.

O filme é rondado o tempo todo por um ar de mistério e é exatamente ai que ele acerta, pois ao mesmo tempo em que o expectador fique se perguntando a todo momento o que diabos está acontecendo, ele não consegue desviar os olhos da tela. Os efeitos especiais ajudam bastante na construção desse mistério e o CGI foi trabalhado muito bem tanto na criação do labirinto, quanto na dos Verdugos, que alias são assustadores, o problema é que algumas cenas são muito escuras e esse trabalho acaba se perdendo, pelo fato de não enxergamos direito.
Dylan O’Brian  interpreta Thomas com grande maestria e consegue passar muito bem a personalidade um tanto confusa do personagem, eu não duvidava nem um pouco da capacidade do ator em carregar o peso de ser um protagonista desses, pois já acompanho o excelente trabalho que ele faz interpretando Stiles em Teen Wolf. A única atuação que deixa a desejar, infelizmente, é a da linda da Kaya Scodelario que parece estar sofrendo da síndrome de Kristen Stewart, mantendo a mesma expressão em quase todas as cenas.

O roteiro peca algumas vezes, como por exemplo, em determinado momento no filme os clareamos se dividem em dois grupos, sendo que um fica no ponto inicial e o outro precisa chegar em um certo local. Porém para chegar a esse local, eles precisam de uma chave, andar uma longa distancia, de uma senha, passar por alguns obstáculos um tanto desagradáveis e quando eles chegam a esse lugar, alguns minutos depois um dos personagens que ficou para trás, aparece sem explicação nenhuma. Se os roteiristas tivessem seguido o livro essa parte seria bem mais verossímil.

Assim como o livro, o filme também não tem muito foco nos personagens secundários, porém há um determinado personagem que é fundamental para o desfecho emocional da história e diferente do livro, no filme quase não há destaque pra ele e quando algo acontece a ele quem não leu o livro pode não se importar tanto assim.
Embora, cinematograficamente falando, Maze Runner não seja um filme tão grandioso quanto Jogos Vorazes, eu particularmente acho o mundo distópico criado por James Dashner muito mais crível do que o criado por Suzanne Collins e ver isso retratado no cinema só confirmou essa minha sensação.
Maze Runner consegue agradar tanto aos fãs da série de livros, quanto aos que não conheciam a obra e embora não seja um filme perfeito, cumpre o que promete: entreter o público.
Direção: Wes Ball
Elenco: Dylan O´Brien, Kaya Scodelario, Will Poulter, Thomas Brodie-Sangster, Patricia Clarkson, Ki Hong Lee, Aml Ameen, Blake Cooper, Chris Sheffield
Roteiro: James Dashner, Grant Pierce Myers, Noah Oppenheim 
Produção Executiva: Joe Hartwick Jr., Eddie Gamarra 
Produção: Marty Bowen, Wyck Godfrey, Ellen Goldsmith-Vein, Lee Stollman, Lindsay Williams 
Duração: 113 minutos
Classificação: 14 anos
Distribuidora: 20th Century Fox
Ano: 2014
Facebook Comments

0 thoughts on “Filme: Maze Runner – Correr ou Morrer”

  1. Por estar morrendo de medo que a FOX estragasse esse filme, fui sem esperanças ao cinema também e acabei me surpreendendo! Realmente, a produção tem muitos pontos falhos, mas algumas mudanças eu curti porque ficaram bem apresentáveis nas telona, sobre o Kaya, não acredito que o problema seja a atriz, mas sim a importância que deram a sua personagem na história. Ou melhor, a não importância né, no livro, o impacto que ela tem para os Clareanos é muito maior do que foi no filme. Mas enfim, no geral, fiquei satisfeita e estou ansiosa pela continuação! Bjs
    Jéssica – http://lereincrivel.blogspot.com.br/

  2. com certeza Maze Runner foi uma das minhas leituras favoritas de 2014 e desde que eu li o livro estava muito ansiosa sobre o filme. Querendo ou não sempre queremos ver como nossas historias preferidas irão aparecer na telinha.
    Quanto aos atores, acho que ninguém tinha dúvidas de que o Dylan iria se sair bem (nem a minha mãe kkkkk'), depois da atuação dele da terceira temporada de Teen Wolf então, eu tinha certeza.
    Não sei quanto a Kaya, porque o único trabalho que eu me lembro dela é Skins, o que não foi muito bom.
    Ainda não li o segundo livro por falta de tempo, mas espero que seja adaptado para cinema. Bjs
    http://heybooks.blogspot.com.br

  3. Oi meu bem!
    Primeiro me deixe compartilhar desse entusiasmo que é saber que temos, até que enfim, uma boa adaptação gente! Não tem como não ficar feliz com uma notícia dessas!
    Eu sou uma das poucas pessoas na blosgosfera literária que ainda não leu o primeiro livro da série, mas pretendo ler em breve. O filme ai ficar pra depois da leitura, mas assim que eu terminar, corro aqui pra contar o que eu achei.
    Um beijo ;*

    Juliana . Oliveira
    http://trocandoconceitos.blogspot.com.br/

  4. Oi Erick, tudo bem?
    Desde que eu vi o trailer de Maze Runner, no cinema, fiquei super curiosa para ver esse filme! Só depois descobri que o filme é baseado em uma série de livros, o que animou ainda mais.
    Ainda estou em dúvida se assisto o filme ou se tento adquirir a série primeiro, para realizar a leitura. Não estava nem pensando em ler essa série, mas todo mundo está lendo e falando que é incrível, o que me deixa muito tentada a conhecê-la.
    Adorei sua resenha! Ela só reforçou ainda mais a minha vontade de conhecer essa estória.

    Abraço!
    http://www.livrosesonhos.com/

  5. Nossa, adorei sua resenha! Ficou simples, porém, muito bem explicada, detalhando tudo. Amei, de verdade! Ainda não tive a oportunidade de assistir ao filme (n tem cinema na minha cidade) e nem de ler o livro, mas pretendo ler em breve. Beijo,
    entreeleitores.blogspot.com

  6. é a Teresa realmente estava super apagada na historia, mas algo me incomodou bastante na atuação da Kaya, ela parecia ter a mesma feição em todas as cenas, as vezes é só implicancia minha por não gostar da personagem, vai saber KKK

    Abraços

  7. Não tem nem o que falar do Dylan na 3B de Teen Wolf ele deu um show, já a Kaya eu gosto muito dela em Skins, Effie é uma das minha personagens favoritas, por isso estava com uma expectativa super alta pra ela nesse filme e bem, não chegou nem perto do que eu imaginava. Pelo menos sabemos que já vai ter continuação o

    Abraços

  8. Então, eu sempre gosto de orientar as pessoas a verem o filme e depois se gostarem ler o livro, mas no caso de Maze Runner, talvez se você ver o filme primeiro, o livro perca um pouco do clima de tensão pra você, pois o que deixa o leitor preso a historia é o fato dele não saber nada o que está acontecendo e se você ver o filme primeiro provavelmente não va ficar tão presa a historia

    Abraços

  9. Valeu Jessica 😀
    Muito triste isso de não ter cinema na cidade, aqui na minha e da Ale tem dois, mas são a mesma coisa que nada, tanto que quando queremos ir ao cinema, vamos a cidade vizinha. Dá uma chance pro livro, se você curte mistério com certeza vai curtir o livro

    Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *