Extraordinário – R.J. Palacio

“Extraordinário” conta a historia de August Pulman, ou Auggie, um  simples garotinho de 10 anos que seria “normal” se não fosse o fato dele ter uma espécie de doença genética que ocasionou uma deformação em seu rosto, e essa deformação é tão grave que o medico que estava realizando o seu parto desmaiou.
 

Não vou descrever minha aparência. Não importa o que você esteja pensando, por que provavelmente é pior.

 
Auggie já passou por diversas cirurgias, algumas por conta de complicações, outras pra tentar “arrumar” seu rosto e por conta disso ele nunca pode frequentar uma escola, tendo como professora a sua mãe. Quando ele esta prestes a completar 10 anos, seu pais mesmo muito protetores acham que seria melhor que ele começasse a ir em uma escola normal para poder socializar com as crianças de sua idade, a principio ele não gostou muito da ideia, pois sabe como as pessoas agem quando o vêem e ser “exposto” em uma escola onde há varias outras crianças que podem e vão falar dele, não é uma boa ideia. Porém ele acaba decidindo ir com a condição de poder desistir a qualquer momento, desde que tenha um bom motivo pra isso. E é basicamente essa a historia que o livro ira retratar, como Auggie vai se “virar” na escola.
 

Sei que não sou um garoto de dez anos comum. Quer dizer, é claro que faço coisas comuns. Tomo sorvete. Ando de bicicleta. Jogo bola. Tenho um Xbox. Essas coisas me fazem ser comum. Por dentro. Mas sei que as crianças comuns não fazem outras crianças comuns saírem correndo e gritando do parquinho. Sei que outros não ficam encarando crianças comuns aonde quer que elas vão.

O livro é narrado em primeira pessoa, tanto pelo Auggie, quanto por alguns amigos e parentes que convivem com ele, o que acaba tornando a leitura bastante dinâmica, já que temos essas diferentes visões, perceber a forma com que Auggie transforma e tem um papel na vida de cada um ao seu redor é algo bastante bonito de se ler. Há três personagens em especial que ao meu ver valem a pena serem destacados o primeiro é a Olivia, a irmã mais velha de Auggie, super-protetora, Olivia ama demais o seu irmão, mas ao mesmo tempo sofre por não ter tanta atenção dos pais, ela sabe e entende que por conta da condição do seu irmão nunca terá muita atenção dos seus pais, mas ao mesmo tempo ela sente muita falta de alguem ali do seu lado, o que só a torna mais humana.
O segundo personagem é Jack Will, ele personifica muito bem a relação das pessoas antes e depois de conhecer Auggie. Na primeira vez que Jack viu Auggie assim como as demais pessoas, teve um susto inicial, mas depois de ter o conhecido melhor ele acabou percebendo o quanto Auggie é um ótimo amigo e embora tenha feito algo não muito legal, ele é um dos que mais “sofre” as consequências” de ser amigo de Auggie. E o terceiro personagem é Summer, uma garotinha que foi contra o que todos na escola pensavam a respeito de Auggie, fechou os olhos para a aparência dele e resolveu que os dois seriam amigos
.
Por se tratar de um livro infanto-juvenil, “Extraordinário” possui uma narrativa bem simples e fluida, eu o li em menos de 6 horas, mas isso não diminui em nada a sua grandiosidade. Embora a historia de vida de Auggie, seja triste, o livro em si não é triste, ele é uma montanha-russa de emoções e traz uma mensagem a cada virada de pagina. Nunca chorei lendo um livro, mas confesso que em diversos momentos, meus olhos ficaram bem marejados por conta de quão bela é essa historia.
Embora não seja o melhor livro do mundo, eu acredito que todas as crianças deveriam ler ele e discuti-lo junto nas escolas, pois “Extraordinário” é uma grande arma contra o bullying. Já que em um mundo onde a beleza é muitas vezes mais importante que a personalidade “Extraordinário” é um grande “tapa na cara da sociedade”.

Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil.

 

Eu sei que o post está enorme, eu me empolgo as vezes, mas é que eu queria só lembrar um ponto interessante do livro, é que Auggie tem um professor, que todo mês traz preceitos, frases que ele acha que vale a pena trazer pra turma discutir (a frase acima desse paragrafo é um dos preceitos). E pra finalizar eu queria deixar um preceito do professor e o que o Auggie escreveu sobre ele.
 
Seus feitos, são seus monumentos. 

 

Esse preceito significa que deveríamos ser lembrados pelas coisas que fazemos. Elas importam mais do que tudo. Mais do que aquilo que dizemos ou do que nossa aparência. As coisas que fazemos sobrevivem a nós. São como monumentos que as pessoas erguem em honra dos heróis depois que eles morrem. Como as pirâmides que os egípcios construíram para homenagear os faraós. Só que, em vez de pedra, são feitas das lembranças que as pessoas têm de você.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *